EVASÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA: : PERSPECTIVAS SOBRE A QUESTÃO

  • Lilian Soares Branco
  • Adilson Cristiano Habowski
  • Elaine Conte

Resumo

A educação a distância não é uma nova modalidade de ensino, já existe há muitos anos, e ainda sofre resistência por ser realizada sem o contato físico presencial entre professor e estudante. No entanto, estão sendo desconsideradas as potencialidades das tecnologias nas relações pedagógicas como um processo histórico concreto, que expõem as contradições da educação, conceitos de tempo-espaço, de forma a estimular transformações sociais de ensino e aprendizagem. Esse panorama precisa ser avaliado para não recairmos na servidão à técnica e ao capital (na tríade trabalho, emprego, escolarização), pois vivemos na era da comunicação e informação e o processo de ensino deve buscar a atualização das tecnologias a favor da educação, mas não para repetir velhos padrões de ensino e sim despertar e sensibilizar conhecimentos, interlocuções entre o mundo da educação e o mundo social. Ao mesmo tempo em que os intercâmbios formativos já estão incorporados em nossa vida para nos desafiar, as tecnologias podem prejudicar tais diálogos dependendo do uso que se faz destas, que tanto aproximam quanto afastam o estudante dos seus estudos, ocorrendo a evasão (desistência/desestímulo ao aprender) – relacionada a fatores subjetivos, objetivos e sociais.

Publicado
2018-05-22
Como Citar
SOARES BRANCO, Lilian; CRISTIANO HABOWSKI, Adilson; CONTE, Elaine. EVASÃO NA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. CIET:EnPED, [S.l.], maio 2018. ISSN 2316-8722. Disponível em: <https://cietenped.ufscar.br/submissao/index.php/2018/article/view/283>. Acesso em: 28 mar. 2020.
Seção
CIET:EnPED:2018 – Educação e Tecnologias: Pesquisa e produção de conhecimento