DIREITOS HUMANOS E EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA: O QUE PODE SER FEITO E QUANDO É O MOMENTO DE PARAR

  • Vinicius Alves Scherch
  • Vinício Carrilho Martinez

Resumo




O objetivo do texto é refletir, inicialmente, sobre alguns significados acerca do fato de a pandemia ter-se inserido na sociedade mundial, em 2020, desencadeando-se não somente uma crise sanitária, mas que alcançou aspectos políticos e também afetos à Educação. Neste âmbito o artigo investiga o uso das TDICs para viabilizar a continuidade de programas de ensino superior, especialmente no ensino de Direitos Humanos. Este trabalho se dirige a observar algumas condições em que as práticas educacionais receberam forte implicação em razão da influência do novo coronavírus. Conquanto o artigo mantenha seu eixo de desenvolvimento na temática da relação ensino e aprendizagem, não se pode negar a transversalidade do tema, razão pela qual aspectos políticos e sociais acabarão se imbricando e dialogando com a ideia aqui desenvolvida. Aqui são trabalhadas algumas ideias da teoria emancipatória e materialista histórico- dialética que não podem ser deixadas de lado diante da função política da Educação. A conclusão que se pode obter é que o uso das TDICs deve ser inclusivo e não pode se transformar em mais um meio de opressão que potencializa a desigualdade.




Publicado
2020-08-28
Como Citar
SCHERCH, Vinicius Alves; MARTINEZ, Vinício Carrilho. DIREITOS HUMANOS E EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA: O QUE PODE SER FEITO E QUANDO É O MOMENTO DE PARAR. Anais do CIET:EnPED:2020 - (Congresso Internacional de Educação e Tecnologias | Encontro de Pesquisadores em Educação a Distância), São Carlos, ago. 2020. ISSN 2316-8722. Disponível em: <https://cietenped.ufscar.br/submissao/index.php/2020/article/view/1660>. Acesso em: 19 jul. 2024.
Seção
CIET:EnPED:2020 - Políticas e gestão por meio de/para o uso de TDIC